A Vaca Louca e Seu Badalo
A Louca Vida no Campo
     agosto 30, 2004

Irons 

 

Há coisas que marcam a vida de uma pessoa, neste caso, de uma vaca. Há recordações que ficam para sempre gravadas na nossa memória. Isto tudo para dizer que este poste é mais uma das minhas homenagens, neste caso, a um Grande Senhor do cinema, Jeremy Irons.
Esta admiração começou por causa da fabulosa série “Reviver o Passado em Brideshead” (Brisdeshead Revisited), onde as paisagens bucólicas inglesas se misturam com a intensidade das personagens de Charles e Sebastien.
Era muito novinha, devia ter 12 ou 13 anos, mas aquela série era o meu maior fascínio. Absorvia todos os episódios com enorme intensidade.
Irons era, já naquela altura um actor divino, de voz pausada, profunda e dicção sem mácula.
Durante todos estes anos tenho seguido a sua carreira, em alguns filmes menos bons e noutros melhores, mas o talento não se lhe pode negar.
A sua deslumbrante interpretação em Lolita, de Nobokov, onde faz com que quem assista sinta uma enorme empatia com a personagem, Humbert Humbert (ok, a Lolita também ajuda a que isto aconteça, mas não é dela que falo), e para mim, o filme fetiche: Irmãos Inseparáveis (Dead Ringers), realizado por David Cronenberg, onde Irons interpreta dois irmãos gémeos, ginecologistas, no seu mais magistral registo.
É uma história envolvente, que nos transporta ao fundo de uma relação de Dominador-Submisso entre dois irmãos que exercem a mesma profissão. Há sempre a dualidade de caracteres latente, onde um dele é tímido, o que investiga e produz uma enorme casta de objectos genecológicos, que têm de belo tanto como de arrepiante (e, principalmente, as mulheres que tenham visto este filme entenderão perfeitamente o que quero dizer), e o outro, muito mais extrovertido, arrogante, o que aparece para receber os louros.
O tímido acaba por se apaixonar por uma paciente, uma actriz estéril, que tem como máximo objectivo ter um filho. Acabam por se envolver, e como sempre, o dominador acaba por convencer o irmão a partilhá-la com ele, sem que esta saiba. Claro que acabam por ser descobertos, e começa a viagem ao mais puro declínio humano. O submisso começa a afundar-se em medicamentos, depois, o dominador acaba por o seguir, com o intuito de o trazer à tona.
A quem nunca o tenha visto, aconselho vivamente.
Este senhor deu-me, através das suas interpretações esplendorosas, a capacidade suprema de admiração pelo trabalho de actor.
Deixo-lhe aqui a minha vénia.

plantado por Vaca Louca @ 10:10 |

   
     agosto 28, 2004

Onde Está o Wally? 

 

um enigma complexo


plantado por Badalo @ 15:13 |

   
     agosto 25, 2004

Não Há Mais Férias? 

 

Drawing Hands - M. C. Escher


Se eu pudesse falar pelos loucos - e talvez me falte a legitimidade tão-somente formal - talvez dissesse que nós não podemos deixar de sorrir ao olhar para este desenho. Talvez dissesse que nos enche de um conforto estranho, de uma alegria inexplicável, e, talvez, fosse tão atrevido a ponto de tentar justificá-lo; que é a metáfora para nós perfeita da nossa realidade, tão obscura para os lúcidos que tentam compreender-nos. (Ou descartar-nos. Ou apenas arrumar-nos num qualquer canto inócuo). Porque a mão que desenha é sempre ela-mesma o desenho, numa espiral absurda. E o que pudesse parecer apenas um joguinho gráfico, um exercício lúdico de um iluminado talento da criatividade plástica, pode muito bem ser para nós a realidade, toda ela imaginada, e por isso terrivelmente presente, como se Einstein tivesse, afinal, razão, e Deus jogasse aos dados, mas ainda não vo-lo tivesse revelado.

plantado por Badalo @ 22:28 |

   
     agosto 22, 2004

Provérbios Bucólicos 

 

o criminoso e seu cúmplice
«Tão ladrão é o lobo que rouba como o cordeiro que o encobre».

plantado por Badalo @ 22:11 |

   
     agosto 21, 2004

A Criatividade 

 

É espantoso o que algumas pessoas fazem do seu tempo. A criatividade humana conhece novos limites e desbrava utilidades a cada dia que passa. O prémio desta nova rúbrica vai naturalmente para este jogo.

plantado por Badalo @ 13:25 |

   
     agosto 19, 2004

Relato do Boavista-Sporting 

 

1.ª Parte

- Pois bem, caro colega, parece que vai ser um jogo animado...
- Sim, lá vão eles começar. Pedro Barbosa abre o jogo e lá vão os leões. Passa para Rui Jorge...Rui Jorge para Rogério...mas fica sem a bola. Agora João Pinto... Marisa Cruz parece animada... repara naquele cabelo.... errr Viva o Boavista
- Sim, parece-me muito bem... João Pinto para Flores e o passe foi muito longo... Marisa rói as unhas, pobre rapariga. Já viste que tens as unhas pintadas de vermelho? Fica-lhe bem...
- De facto, e aquela camisola justa também... hehehehe, é gira a miúda... bem, isto está a ser um jogo renhido... lá vai Carlos Martins com a bola... Tu já viste o que diz a camisola da Marisa nas costas?? Epá, a rapariga tem humor...
- Pois, é gira... errr...o jogo, pois...Liedson tenta furar a defesa e .... pôssas, foi quase.... olha lá a Marisa, está ali a sofrer como tudo... até se levanta da cadeira...e que sortuda é aquela cadeira!! Achas que vão casar?
- Quem?? A cadeira??
- Não, parvo!! A Marisa e o João Pinto!
- Pá, não sei... se forem, sorte a do pequenito... que é que achas que ele faz com aquilo tudo? Hehehehe
- Tu já reparaste que a Marisa está mais magra? Achas que se anda a alimentar bem?
- Olha que já me tinha parecido, mas fica-lhe bem...
- Estão ali a fazer-me sinal... sim... é verdade. Vamos para intervalo. Até já, caros telespectadores.

2.ª Parte

- Cá estamos de novo, caros telespectadores, para o relato deste jogo amigável entre o Boavista-Sporting. O Boavista parece estar a jogar bem.
- Sim, de facto tem sido um jogo muito interessante... lá vai João Pinto com a bola... passa para Guga...
- Olha lá, a Marisa está a beber Coca-Cola?
- Parece... mas também pode ser Fanta. Achas que ela devia beber aquelas porcarias? Aquilo pode fazer-lhe mal à linha. O JVP é o verdadeiro artista??
- Olha!! Foi golo... GGGOOOOOOOLLLLLOOOOOOO do Sporting... penalti marcado por... por.... olha nem reparei quem marcou o golo... viste??
- Ah? Diz?
-Viste quem marcou o golo?
- Não, pá. Tinha aqui uma coisa no olho... cofff
- Bem, também não interessa nada. O Sporting está a ganhar ao Boavista por 1 a 0. Adiante...
- Olha, não é melhor irmos até à bancada avisá-la para não beber aquilo? A rapariga pode ficar mal...
- Olha que não é má ideia. Vamos lá.
Silêncio.

plantado por Vaca Louca @ 09:15 |

   
     agosto 18, 2004

Carta da Índia 

 

Amigos,

É com muita saudade que vos escrevo, pois como sabem encontro-me na Índia, este país maravilhoso, onde nós, vacas, provamos que a união bovina faz a força.
Como o meu Badalo (ai, sódad) já havia dito, estou a fazer aqui uma série de conferências sobre os Novos Direitos Bovinos no Século XXI.
E que melhor cenário poderia escolher, senão aqui, onde nós temos o estatuto que merecemos: a de sagradas
Durante estas conferências tenho notado que aqui as vacas indianas têm outra postura perante a vida. São mais soltas, mais tranquilas, e acabei por perceber porquê: Não correm o risco de serem comidas, o que é uma enorme vantagem, pois têm a certeza que vão morrer de morte natural, o que, obviamente, traz uma grande tranquilidade.
Mas avançando para o que interessa, como Presidente da Associação da Defesa das Vacas Emancipadas (ADVE) elaborei o seguinte programa para debate:

Ponto 1: A proibição de ordenha mecânica: Proposta de Legislação a apresentar junto do Comité Mundial de defesa dos Animais em protesto;
Ponto 2: Estatuto Mundial de Vacas Sagradas;
Ponto 3: Porque é que as mulheres de má fama são apelidadas de vacas?;
sou tão santa
As conclusões a que chegámos acabaram por ser muito elucidativas:

Ponto 1: Deve constar neste Tratado Internacional que a ordenha mecânica deve ser imediatamente retirada do mercado, sendo proibida a sua utilização em todas e quaisquer situações, sendo que o não cumprimento deste diploma está sujeito a sanções, que vão desde a obrigação do uso de um crachá, com a inscrição “SOU UM PROFANADOR DE LEITE”, durante 2 anos, até à escovagem do pêlo de todas as vacas que se candidatarem para esse tratamento, não excedendo nunca 100.000 vacas.

Ponto 2: Concluiu-se que nós vacas somos de facto seres sagrados, pois devido à nossa enorme inteligência conseguimos passar por tolas e enganar todo um planeta, daí devermos ascender ao estatuto de sagradas. Quem quiser uma dieta equilibrada que coma soja.

Ponto 3: Este foi difícil, porque houve muitas sugestões, mas finalmente chegou-se à conclusão que isto acontece porque a maioria das mulheres quer ser vaca, e como forma de esconder esse desejo, optou por subverter a coisa, para disfarçar.
Houve a proposta para que tal facto fosse alterado, e que a partir de agora estas mesmas mulheres devem ser apelidadas de penicos, pois assim não fere susceptibilidades, já que os penicos não têm voz activa, pois não se associam. São uma classe muito conflituosa.

Bem, por hoje despeço-me e penso que em breve estarei de volta à minha quinta e ao meu Badalo. Quando chegar contarei mais novidades.

Um beijo para todos e bem-haja.

plantado por Vaca Louca @ 13:14 |

   
     agosto 17, 2004

Quando a Culpa é do Teclado 

 

Respiro a calma do silêncio bucólico ao aninhar-me num fardo de palha (que o Philippe Starck nos desenhou) colocado estrategicamente num local do loft do celeiro donde se vê a parte mais interessante da quinta, devido às vidraças que dão para o campo e a casa. E aqui instalei o meu centro de comunicações, que é como quem diz: a redacção deste diário electrónico.

vista parcial
Daqui andei uns dias arredado. Foi porque me envolvi demasiado com o projecto da máquina do tempo mas não só por isso. Também a partida da Vaca Louca para a Índia (foi convidada para organizar uma conferência sobre os Novos Direitos Bovinos no Séc. XXI) me fez mergulhar numa estranha melancolia, a qual me afastou deste teclado. O que pode ser problemático em si-mesmo. Sim, esse afastamento. Eu explico. Ou melhor, reproduzo a conversa ocorrida entre mim e o teclado quando aqui me sentei.

Badalo (sentando) - Ora então aqui estamos nós...
Teclado - ... (silêncio absoluto)
Badalo (franzindo o sobrolho) - Não dizes nada?
Teclado - Não.
Badalo - Que se passa?
Teclado - Deixas-me aqui sozinho e abandonado por dias a fio e ainda queres batatinhas?!
Badalo - Eu... sabes que... tenho andado ocupado... Mas estou aqui agora, não estou?
Teclado - Já vens tarde. De mim não levas nada.
Badalo - Caneco! Precisamos de escrever um artigo para o blogue! E temos de escrever um e-mail à Vaca Louca...!
Teclado - Não.
Badalo - Como não?! Insubordinas-te?
Teclado - Tens de escrever um artigo e precisas de escrever à Vaca Louca. Eu não.
Badalo - Pá, mas se te recusas a trabalhar terei de dar-te com uma martelada.
Teclado (rindo sarcasticamente) - Ah, sim, e é aí que começo a escrever? Estás cada vez pior...
Badalo (hesitando) - Bom, então reorganizo-te como um AZERTY, queres? Não, melhor, transformo-te num HCESAR!! Sim, é isso! Toca a escrever, vá!
Teclado - Tu... tu não serias capaz de tamanha malvadez... serias? És pérfido!
Badalo - Pérfido, sim, TLÓING! boa palavra! Continua, que ainda temos muito trabalho pela frente!

E assim foi. Mais tarde talvez publique a carta para a Vaca Louca. Censurando as partes picantes, claro.

plantado por Badalo @ 13:31 |

   
     agosto 13, 2004

Acontece! 

 

shit happens, ah! ah! ah!

Paranóico, eu? Está aqui a prova, apanhei-os nesta fotografia! Eles andem aí, julgam que coiso mas deram-se mal. Acontece! E é bem feito!

plantado por Badalo @ 16:14 |

   
     agosto 12, 2004

O Oráculo 

 

Creio que tanto revolteei a mente com o meu novo projecto científico - a máquina do tempo! - que alguns circuitos neuronais no lobo parietal direito sofreram mutações. Essas mutações tornaram-se detectáveis há relativamente pouco tempo e sobretudo através do meu mundo onírico. Sim, é nos meus sonhos que já antecipo magníficas aventuras a viajar pelo tempo, a fazer todo o tipo de atropelos às linhas de coerência cósmica. São os sonhos, afinal, ou não, formas de sublimarmos os nossos mais profundos desejos recalcados? Nem interessa.
A questão aqui é que tenho visto coisas indescritíveis do futuro, e tenho agora a certeza de que não são meras alucinações pois ainda na semana passada sonhei com o dia seguinte, que vivi exactamente como sonhado. Adquiri, portanto, poderes divinatórios. Sou um oráculo. E estou alerta para a responsabilidade de ser portador de tamanho dom. Não me é permitido vir para aqui dizer como serão as coisas. E não vale a pena enviarem dinheiro pelo correio, que por cá somos incorruptíveis. São coisas muito sérias. A não ser que o cheque se faça acompanhar de uma carta assinada (reconhecida por notário, evidentemente) explicitando que a verba se destina a patrocinar a construção da máquina do tempo.

No entanto, é claro que não estaria com toda esta ladaínha se excepções não houvesse. E vou utilizar o meu exceptionis joker precisamente para vos desvendar algo de muito curioso que vi no nosso mundo numa das minhas viagens ao ano de 2043.
neon
Para que se entenda, e muito sumariamente, deveremos ter em conta que a sociedade será bastante diferente da que conhecemos agora. Há um contexto complexo que aqui não poderei desvendar. Mas digamos que por essas alturas tudo será uma caricatura do que hoje somos e da forma como vivemos. O que vos trago hoje é a reprodução de um anúncio, um outdoor, do ano 2043. E reza assim:

«Se tem uma vida financeira desafogada, uma saúde de ferro e, no geral, sente-se feliz com a vida que tem, não desespere!! Temos a solução para o seu caso! A nossa equipa de desipnotizadores especializada em chips kwak (*) tratará dessa malfadada ilusão de bem-estar, devolvendo-o à realidade nua e crua, tudo pela módica quantia de um rim saudável. Resultados garantidos!»

Vai ser giro o futuro, uh-lá-lá se vai.

______________


(*) Kwak - Trata-se de uma tecnologia psíquica instituída pela Polícia Municipal e que no fundo é uma espécie de sucedâneo agreste da soma de que nos fala Aldous Huxley.


plantado por Badalo @ 14:50 |

   
     agosto 11, 2004

In Nomen Veritas 

 



plantado por Badalo @ 15:51 |

   
     agosto 10, 2004

De Novo, a Poluição 

 

aviso à comunidade

Pela manhã, após acordar e despachar as tarefas necessárias, gosto de fazer passeatas pelos campos limítrofes da quinta. Há belas estradas rurais ladeadas de arvoredo e salpicadas de cobras e outros animalejos. Às vezes o matagal é denso e quem olhe da estrada (que se afunila perante a sombra das majestosas folhagens) não consegue - literalmente - ver um boi à frente do nariz. Desde que o nariz esteja à beira da estrada e o boi ligeiramente adentrado no matagal. Mas o que verdadeiramente queria dizer é que num desses passeios recentes deparei-me com um espécimen de sinalização vertical, meio escondido pelos ramos e folhas, que me intrigou. Fotografei-o e disponho dele aqui para que todos possamos observá-lo.

Andei uns dias a pensar no seu significado, e sobre o perigo para o qual pretende alertar. Só ao fim de muito tempo percebi: está localizado perto do kartódromo, onde, ouvi dizer, uma seita de adeptos do tuning se entretém a fazer corridas de patins sem mexer as pernas!

Tive de ir espreitar e consegui topar um grupo de jovens ruidosos, que consumem feijões em lata em quantidades generosas, após o que calçam os seus patins e disparam pela pista, totalmente hirtos, enquanto os outros riem e bebem cerveja.

Parece ser um grupo muito divertido, mas alguém terá de fazer alguma coisa quanto a este tipo de poluição, sendo naturalmente insuficiente a aposição do sinal de alerta que aqui publicámos.

plantado por Badalo @ 13:09 |

   
     agosto 09, 2004

Fácil & Barato 

 

Para quem quer divertir-se um pouco apenas com um motor de busca basta experimentar a funcionalidade de tradução de páginas, como a que por exemplo existe no google. Fomos testá-la imaginando que queríamos cultivar morangos na nossa Quinta.
já marchavam!!
«Para ser certo que suas plantas são verdadeiro-à-tipo, vigorosas e vírus-livres, compra os de um negócio de ordem respeitável do berçário ou de correio. As plantas vírus-livres registadas podem render a 50-75 por cento mais fruta do que plantas do estoque ordinário.
Requisite as plantas diversos meses antes que needed segurar a entrega dos cultivars pediu. Não é geralmente aconselhável transplant strawberries fora de uma cama velha porque os problemas da doença podem ser introduzidos. as plantas Tecido-cultivadas são agora disponíveis localmente ou das companhias da ordem de correio. Embora mais caras do que plantas field-grown, produzam geralmente mais fruta sob condições as melhores do campo.»

Fonte original: aqui (versão traduzida, disponível no google)

Need dizer mais, ou ainda não parámos de laugh?

plantado por Badalo @ 14:59 |

   
     agosto 06, 2004

Refrões Profundos - Traduções Espantosas 

 

O regresso desta rúbrica à nossa página acontece pleno de pujança através de um autor que, embora de pequena estatura, já debitou incontornável talento durante a sua carreira.
Madurezas à parte (e falamos especificamente daquele símbolo pelo qual queria que as pessoas o conhecessem - O Artista-Antes-Conhecido-Por-Prince, quem não se lembra?) trata-se de um indivíduo que nos brinda com material fecundo para este nosso observatório de refrões profundos (ao qual adicionamos o nosso próprio contibuto, traduzindo), pelo que, e sem mais conversas, passamos a apresentar - inchados de orgulho, mais uma pérola da criação humanista.
Purple Rain?
Trata-se de "When Doves Cry" que, não nos absteremos de apontar, incorpora um arrojo tremendo: "maybe you're just like my mother...", diz-se a linhas tantas, no refrão. Ora isto é arrojado. Ou apenas insanidade pura! É assim! Aos artistas (maxime antes conhecidos como Príncipe) tudo é permitido... havia de ser comigo... Bifes de Badalo também não devem ter muita saída! :D
Ok, vamos a isso. Há uma página especialmente construída para apresentar o trabalho que hoje homenageamos. Mas é imprescindível clicar aqui.

plantado por Badalo @ 20:07 |

Galeria 404 

 

Sim, pois, bem sei. É claro. É uma rúbrica que nunca vingou. Mas eu gosto tanto dela que irei continuar a fazê-la. E nunca deixarei de sorrir a coisas como esta. Empregar a criatividade em domínios em que naturalmente foram pioneiros os automatismos (e a formalidade - no sentido de solenidade), é algo a que sempre acharei graça. Na galeria de páginas de erro hoje proposta, juntam-se mais esta, e ainda esta, e por que não esta?

plantado por Badalo @ 01:25 |

   
     agosto 05, 2004

Palavra de Apoio 

 

À Vaca Louca, a minha pombura gorda, através deste retrato com que idealizo o final do seu primeiro período de férias, desde o início da semana. O regresso à labuta tem o seu quê de atrofiante. Estamos contigo, Vaca Louca!!

plantado por Badalo @ 00:01 |

   
     agosto 03, 2004

Banho de Beleza 

 

com leite de burra, pois claro


plantado por Badalo @ 00:16 |

   
     agosto 02, 2004

Census da Semana 

 

A urna que ora encerra (e sempre assinalámos estas curiosidades, tanto quanto a nossa atenção o permite) apresenta o registo de duração mais longo, e, por conseguinte, o maior número (total) de votos. O sistema embaralhou-se um pouco e acabaram por ser permitidos alguns votos dos mesmos eleitores, mas - como diria a outra - isso agora não interessa nada e vamos aos resultados.

Se é certo que toda a actuação dos nossos rapazes nos jogos do UEFA Euro 2004 deixou um terço dos nossos visitantes eleitores um tanto cépticos, por assim dizer, também é verdade que agora que "Os Valentes & Imortais" foram os vencedores deste census estamos imbuídos do dever de endereçar à Federação competente um fax com a proposta eleita. Todos os possíveis faremos para que o nosso eleitorado seja reconhecido como a nata do pastel, que é como quem diz, a verdadeira face do lado melhor dos portugueses, e a equipa sénior da Selecção Nacional de futebol doravante adopte a alcunha de "Os Valentes & Imortais", com contrato até, pelo menos, ao fim do Mundial 2006. A nossa redacção encetou os melhores esforços para que a Selecção Olímpica já possa ostentar a novel alcunha durante os Jogos de Atenas. Mas não prometemos nada. Coff.

Sobre a nossa quente entrada em Junho e no Verão, com o país a verde, encarnado e amarelo, está chegada a altura de dizer que realmente acabou por compensar, afinal, e é isso que devemos fruir, o esforço de erigir os estádios e tal. Em bom português, apetece dizer: a malta uniu-se. E a malta vibrou (a "malta vibrámos" em português-jovem). Frases ficaram emblemáticas, que nos devem encher de calor: "Temos Orgulho" e "Ser Português é Um Orgasmo".

Mas há ainda quem questione tudo isto. Há quem não ligue patavinas ao desporto nem ao futebol, há quem veja tudo isto como uma caríssíma histeria colectiva (correntes se divisam com a sub-variante: perniciosa). Sim. E compreende-se. Os tipos falham imensos passes e correm pouco. Parecem uns burros móis, como já ouvi dizer. Mas à conta deles mostrámos ao mundo que somos um povo com personalidade e temos um cantinho com um clima apelativo.

E eu poderia até tentar desacreditar o fenómeno colectivo extraordinário que foi o envolvimento desta nação com o evento desportivo que foi o campeonato da Europa de futebol. Mas o meu sorriso seria verdadeiro na mesma. É que li recentemente numa revista de grande informação que os portugueses este ano reciclaram muitas mais toneladas de lixo que no ano passado. Cerca de mais um terço, ou assim. Os valores oscilam um pouco consoante a matéria - parece que os metais ficaram-se por um registo de aumento mais baixo - mas no geral o resultado é uma clara declaração de todos nós que basta de tanta imbecilidade, há gestos que nos beneficiam tanto, e acabam por custar tão pouca disponibilidade muscular. Nós cá na quinta também separamos e reciclamos o lixo, há anos, e, não querendo fazer sombra ao Gervásio - o macaquinho que estrelou numa campanha televisiva sobre a reciclagem - gostaríamos de, neste momento, incentivar o leitor a aderir a este cuidado ecológico e energético (ergo: financeiro).


plantado por Badalo @ 01:00 |

   
     


 

O Parzito
Ó Pra Nós

Tractor de Busca

A Parada

- Census -
Vou Assinalar Abaixo a Minha Idade:
De 4 a 6 anos.
De 7 a 10 anos.
De 11 a 15 anos.
Mais de 15 anos.

Sótão

  • Janeiro 2004
  • Fevereiro 2004
  • Março 2004
  • Abril 2004
  • Maio 2004
  • Junho 2004
  • Julho 2004
  • Agosto 2004
  • Setembro 2004
  • Outubro 2004
  • Novembro 2004
  • Dezembro 2004
  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Agosto 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Outubro 2006
  • Na Pocilga
    Diário da República I, II, e III séries

    No Celeiro
    Nove Amanhãs
    Isaac Asimov


    Weirdos From Another Planet
    Bill Waterson


    Sonetos
    Florbela Espanca

    Especialidades da Casa
    · bAtAtAs FrItAs
    · Fata Morgana
    · Luz & Sombra
    · Novos Vôos
    · Os Dias da Música
    · Robina

    Poços de Cultura
    · A Causa foi Modificada
    · A Origem do Amor
    · Aviz
    · Barnabé
    · Blog de Esquerda II
    · Contra a Corrente
    · Ene Coisas
    · Exacto

    Fontes de Lazer
    · A Funda São
    · Abstracto Concreto
    · Blogue dos Marretas
    · Carapau de Corrida
    · Catwalk
    · Cruxices
    · Espuma dos Dias
    · Farinha Amparo
    · Gato Fedorento
    · Gotinha
    · Há VidemMarkl
    · Just a Kiss?
    · Miss Vitriolica
    · Mas Isto...?
    · His Guide To Our Galaxy
    · Núcleo Duro
    · Psicotapa
    · Quinta dos Animais
    · Sem Pénis, Nem Inveja
    · The English Manager
    · The Old Man
    · Triciclo Feliz
    · Webcedário

    Pastagens Frescas
    · 100 Tretas
    · 3Tesas Não Pagam Dívidas
    · Baby lónia
    · Blimunda
    · Blogopédia
    · Diário de Um Pêlo Púbico
    · Dúvidas Dúbias
    · O Blog do Bidé
    · O Diário de Conchita
    · O Meu País Azul
    · O Vizinho
    · Pé de Meia
    · Porca de Vida
    · R por Minuto
    · Too Much
    · Yulunga
    · You’ve Got Mail

    Planícies de Aluvião
    · Bimba Ininteligível
    · Fachadas Perversas
    · Guerra dos Sexos
    · Horizonte Quase Perdido
    · Pobre Menina Rica
    · Porquinho da Índia

    Caixa de Areia
    · Construir
    · Ginástica Digital
    · Imberbe
    · Mystery of Time&Space
    · Mixturar
    · Pérolas a Porcos

    Baú
    · 10.ª Arte
    · Arte?
    · Crítica
    · Emily
    · Inépcia
    · Leituras
    · Hi Tech
    · La Fura
    · O Culpado
    · Subterrâneo

    Alfaias
    · Animados
    · Cinemas
    · Cores
    · Dicionário
    · Dictionary
    · Escola
    · Estáticos
    · Estáticos II
    · Farmácias
    · Index

    Escreva-nos

    Site Meter

    Design by
    ButchyWaffers.com

    Powered by
    Blogger

    Powered by Blogger

    Weblog Commenting by HaloScan.com


    Free polls from Pollhost.com
       


     

    ______________


    ______________


       

    ______________


       

    ______________


       

    ______________


       

    ______________


       

    ______________