A Vaca Louca e Seu Badalo
A Louca Vida no Campo
     fevereiro 28, 2005

Tic Tac Tic Tac Tic Tac 

 

Psicadélico, hã?

Fixe esta imagem.
Agora repita:
«Eu nunca vi este post.
Eu nunca vi este post.
Eu nunca vi este post.»

plantado por Badalo @ 20:52 |

   
     fevereiro 27, 2005

Ser Pensador é... Desesperar os Amigos 

 


- Rodin, a esta hora?
- Não, é um senhor a pensar!
- Ah...

plantado por Badalo @ 09:40 |

   
     fevereiro 25, 2005

Aviso: 

 

Pedimos desculpa por esta interrupção no silêncio editorial.

plantado por Badalo @ 12:49 |

   
     fevereiro 23, 2005

Alex 

 

O Mais Certinho da Laranja Mecânica

plantado por Vaca Louca @ 09:45 |

   
     fevereiro 21, 2005

Auto de Esclarecimento 

 

A Presidência da Comissão Escrutinadora fez-nos chegar à Redacção o seguinte comunicado, com a respectiva ordem de publicação imediata:

«No âmbito de um apreciável volume de missivas recebidas nesta Quinta, através de e-mail e outras vias, em tons recriminatórios quanto ao Census que no dia de ontem abriu ao público, esta Comissão investe-se no dever de comunicar, antes de mais, que os desacatos ocorridos junto à urna estão sanados mas os eventos registados darão origem aos competentes inquéritos. Foram ouvidas as testemunhas e interrogado o principal responsável, uebmássta Badalo, o qual invocou, resumidamente que "queria apenas plasmar neste census a asfixia sentida pela falta de alternativas de um determinado cenário real" entre outras baboseiras.
Esta Comissão foi chamada a intervir no sentido de emitir um parecer sobre o destino a dar à nova votação. Destarte, e reunidas sumariamente as provas, somos de parecer que:

I. - A contemplação da opção "Melhor Província Espanhola", e por se fazer uma directa referência a "melhor" desonera o presumível prevaricador de incorrer em infração de Insolência Agravada;

II. - Conforme o exposto no ponto I., o inquérito deverá circunscrever-se ao apuramento do grau de delirium tremens usualmente sentido pelo suspeito, e respectiva sujeição a medidas medicamentosas;

III. - Deverá ser proposta aos órgãos competentes a investidura de Porquinho-Bertus-da Índia na comenda de Grão-Mestre da Ordem do Espinho Doirado com o fundamento de, basicamente, ser tão fofinho; e

IV. - O Census em curso deverá manter-se em aberto mas com um reset aos votos já depositados e a aposição de uma nova opção de escolha, a saber: "Outro".

Esta Comissão aplaude a existência de pluralidade de opiniões e recomenda um especial cuidado na escolha de temas e respectiva inclusão de opções em votações deste tipo, bem como a criação de uma Comissão Arbitral que decida o montante das indemnizações devidas por danos provocados.
É o que nos cumpre apreciar.»

E aí está, publicado na íntegra, o comunicado acabado de receber. Pela parte que me toca, só fiquei admirado por não ter recebido qualquer e-mail da Fátima Lopes a reclamar do 3.º lugar conforme página anexa do poste infra. É a vida!

plantado por Badalo @ 18:33 |

   
     fevereiro 20, 2005

Census da Semana 

 

A nossa edição de hoje do Census da Semana teria mesmo de ser arrojada por ser dia e noite de outras eleições (blhéca!). Aliás, e pela primeira vez desde há muito, retirámos completamente a nossa urna da disponibilidade do Ilustre Votante durante umas horas, em sinal de respeito.
Como noutras edições, a votação foi muito competitiva e conheceu oscilações dramáticas nas posições dianteiras até ao encerramento do acto, ditando a final a vitória do Dr. Portas e de Raúl Ouro Negro, o que não me deixou satisfeito pois apostei três banhos de lama com o porquito Epifânio que ganharia o casal Jessica Rabbit / Lobo Mau (por exclusão de partes, pensara eu: todos os outros seriam mais prováveis...).

Eis os resultados [clic] da votação, em primeiro plano. (Curioso não deixa de ser que o único casal submetido a votação constituído por um ser vivo e um que já está a fazer tijolo há bastante tempo tenha sido considerado o menos improvável, portanto, o mais provável. Como castigo, foi obliterado do podium).

Hoje aconteceram eventos determinantes do nosso futuro. É, pois, ao futuro que o novo Census se refere. E haja alegria!

plantado por Badalo @ 20:00 |

Os Ilustres Também Blogam! 

 


Há dias, numa das minhas passeatas ocasionais pela cidade, as loirasentrei no café das arcadas e lá me demorei um pouco com umas loiras. "Café com gás" como dizia muito cheio de si o empregado de mesa, obviamente apreciando o seu senso de humor. "Vai lá, vai!", repetia, com evidente satisfação (e fazia um movimento inenarrável com o cotovelo).
E encontrava-me eu quase distraído com esta figura quando, na mesa atrás de mim, um conjunto de sons chamou a minha atenção. Ouvira claramente falar em "badalo" e apurei o ouvido, furtivamente, para aferir se teria ouvido "Badalo". Palavras soltas como "post", "comentários" e "aquilo às vezes fica lento" contextualizaram-me indubitavelmente na blogosfera.
Voltei-me discretamente e reconheci: José Saramago e Manoel de Oliveira, com a mesa pejada de meias-de-leite e meias-torradas (!) trocavam sublimes impressões.
Não é vergonha admiti-lo: senti-me impressionado por estar ali, a inalar o mesmo lote de ar que tão distintos cidadãos, e, pondo completamente de parte o decoro, apurei ainda mais os sentidos para captar a conversa.
- Não, sabes, Manoel... aquilo acaba por ser bastante simples. Escrevo com o fluir da pena e por puro gosto, ou, diria antes, por destino traçado; mas se ele não comenta no meu blogue também não vou comentar no dele (refería-se a Luís Sepúlveda ou a O Meu Pipi, não percebi bem). E nem vale a pena dizer-me que tem uma média diária de visitas superior à minha... (tosse) Eu sou um nobelizado, que diabos!!
Manoel de Oliveira, acenava ligeiramente com a cabeça, assentindo, ou, pelo menos, foi o que me pareceu pelo canto do olho, a menos que estivesse com algum tipo de tontura ou a afastar uma eventual mosca.
- Pois, compreende-se - disse, final e vagarosamente.
- E o teu, continua? - perguntou-lhe Saramago.
- Hã? Ah, o meu blogue. Sim, não, quero dizer, decidi acabar com ele... embora... fosse o blogue ideal... para quem apenas dispõe de banda estreita... Não, agora decidi-me a homenagear colegas meus.
Saramago arregalou os olhos.
http://joãocésarmonteiropormanoeldeoliveira.blogspot.com
- É - continuou Manoel - tenho um quase pronto para arrancar, dedicado ao João César Monteiro.
- Ah sim?! - inquiriu Saramago quase denotando interesse.
- É. Entra-se no blogue e vê-se um ecrã todo preto.
- E depois?
- É isso mesmo. Um ecrã preto - disse, sorrindo.
- Soberbo!

plantado por Badalo @ 11:55 |

   
     fevereiro 19, 2005

Sem Comentários 

 

Rick London / Joel Coughlin

plantado por Badalo @ 01:31 |

   
     fevereiro 16, 2005

O Mito de Narciso 

 

Com a chegada do Inverno, as noites da quinta acalmam bastante. Com o frio que por aqui se sente, o que apetece é ficar à beira da lareira, com uma boa caneca de chá a conversar. É o que temos feito durante estes últimos tempos.
Ontem, durante a nossa pequena tertúlia, reparei na Jaquina, que estava toda aperaltada. Tinha ido ao Peneiro (que é o cabeleireiro das galinhas). Comentei:
- Oh, Jaquina, penteado novo?
- Ah! Estava a ver que não dizias nada! Não estou cada vez mais atraente? – retorquiu ela, aprumando-se.
- Sabes Jaquina, essa tua vaidade ainda te vai sair cara. A propósito, não querem ouvir uma história que tem que ver com isto da vaidade? É mitológica.
- Claro! – respondeu logo o meu Badalo, que gosta muito de me incentivar.
- Então cá vai, é a história de Narciso:

“Há muito tempo, um casal que vivia em Xabregas, teve um belo filho. A mãe, uma náiade de nome Liríope e o pai o rio Cefiso, ao verem-no alegraram-se, pois a sua cria parecia robusta e saudável. Mas depois de longa observação, Liríope começou a ficar um bocado preocupada com tanta beleza, e, não fosse o puto armar-se em parvo, decidiu leva-lo ao Tirésias, que era o taberneiro lá do bairro, e que se dizia que adivinhava o futuro.
- Pá, ó Terésias, já viste o meu puto? Podes fazer-me aí uma previsão para ele?
- Comadre Liríope, a inspiração não está comigo, volta depois do almoço que nessa altura já terei mandado abaixo o presente que o compadre Baco que me enviou, e estarei pronto para tudo te dizer. Ah, e não te esqueças, cada previsão são 20 €.
A Liríope lá se foi, um bocado irritada, pois da última vez que tinha consultado o Tirésias, tinha pago só 10 €, e o aumento da tabela era muito superior ao da inflação, mas não queria arriscar e lá voltou, pela hora do lanche.
- Voltei, compadre. Já podemos ir para as traseiras, falar um bocado?
- Comadre... hic..Li..Li...coiso... vamos, vamos. Pache, que eu abro-lhe a porta.
E aproveitou a oportunidade para se certificar se a comadre Liríope mantinha as carnes firmes. Pareceu-lhe tudo bem.
- Atão deixe lá ver o fedelho... irra, pá, o gajo é giro que se farta!! Bem... a minha luz diz-me que ele vai ser porreiro, tem é de se livrar dos espelhos, que o miúdo não se deve ver, sanão mara.
Liríope, lá foi, um tanto preocupada, mas não muito. Ali por Xabregas não havia muitos espelhos, os sacanas dos putos dos gangs partiam tudo, por isso o risco era minimizado.
Narciso foi crescendo, e tornou-se num belo rapagão. Passava os dias a fumar beatas, encostado ao muro da escola, e divertia-se à brava com o skate.
As garinas do liceu passavam-se com o tipo, mas ele não ligava bóia, pois era um conhé distraído. Por causa disso, já corria o boato no liceu que ele devia era ser bicha.
Até correu um rumor que uma chavala, bué da boa, passava os dias atrás dele, uma talzinha de Eco, uma ninfa. Só que como a pita falava pelos cotovelos (e não só), a Hera, que era professora de Caçadas e Como Atirar Pedras Certeiras, decidiu calá-la, pois ela não deixava o pessoal estar atento nas aulas. Mas voltando à Eco e o Narciso... este, farto de a ter a fazer de sombra deu-lhe um chega para lá. Ela, a Eco, vingativa como o catano, amaldiçoou-o com a praga n.º 533-1102 A.C., aquela em que se diz que quem tiver este mau-olhado nunca será correspondido no amor.
Ora o Narciso, que não sabia nada desta cena marada, continuava a sua vidinha. Ora ia andar de bicicleta, ora entretinha-se a atirar pedras aos pássaros.
Um dia, entediado para caraças, decidiu ir até à taberna do Tirésias.
- Tão, môn? – disse o Narsas (era o nick dele) entrando na taberna, e cumprimentando Tirésias
- Tão chavalito? Tudo bem? Como é que está a boazuda da tua mãe?
- Pá, môn, vê lá o respeito! Olha que ela é uma ninfa decente!
- Prontus, pá! Não te melindres. Olha, para compensar, bora lá à adega, que o Baco continua a enviar prendas. Tenho lá um branquinho que é de fazer chorar as pedras da via pública!
Lá foram os dois, para a adega. Beberam uns copázios, até que o taberneiro teve de se ausentar, porque estavam clientes por atender.
Narciso ficou por ali, vagueando, até que deu com uma pipa de branco, que não tinha tampa, e, impelido pela curiosidade, espreitou e viu-se reflectido na super-vinhaça. Pensou:
- Chiça, que grande borracho, pá! E que aroma maravilhoso!!
E ficou tão encantado, que tentou, por diversas vezes, sem êxito, abraçar a imagem que via. Começando a desesperar, pois cada vez que metia os braços na pipa, a imagem desaparecia, pensando que já como não conseguia tocar no objecto do seu desejo, que insistia em se esconder, e com um rápido raciocínio, decidiu beber a pipa inteira, que no fundo estaria, de certeza, aquela belezura.
Passadas três horas, quando Tirésias voltou à adega, foi dar com o Narsas, morto. Tinha apanhado tal carraspana que marou.”

- Então, gostaram? – Perguntei
- Ó Vaquinha, eu até tirei daí uma lição – disse a Jaquina – Beber sempre branquinho em copos, para não perder a noção da quantidade.

plantado por Vaca Louca @ 12:01 |

   
     fevereiro 14, 2005

Refrões Profundos - Traduções Espantosas 

 

Tenho de começar por contar aqui que há dias, em conversa com um amigo nosso, inglês de raiz, professor em Oxford e tudo, passei pela estupefacção de o ouvir dizer «as tuas traduções são exageradas e um tanto literais, ó Badalo, nem percebo muito bem como chegas a ter quem as valorize». Eu comecei por retinir mas mantive a postura e respondi-lhe de imediato «exageradas o meu pé!!» ao que ele franziu o sobrolho. Lá zaragateámos um pouco, mas não perdi a hipótese de repetir-lhe: «literal traductions my foot!! You know I'm loose!...»
O Cromo
Depois de uns bofetões um no outro, começou a contar-me as velhas histórias de quando foi cozinheiro na marinha e dos seus tempos de marialva. E foi precisamente daí que me veio esta ideia de trazer hoje nova edição dos "Refrões Profundos - Traduções Espantosas", com mais um daqueles diamantes em bruto, este magnífico, esplendoroso, "So Tell The Girls That I Am Back In Town", de Jay-Jay Johanson, também ele um verdadeiro cromo. Para ver e ouvir aqui, numa sala exclusivamente concebida, como de costume.

plantado por Badalo @ 22:23 |

   
     fevereiro 13, 2005

A Insustentável Leveza da Adega 

 

Em primeiro lugar há que referir que a sessão semanal de sexta-feira vai recambiada para o celeiro, devido ao desgaste sofrido na adega durante a pretérita reunião. Um dos pontos em agenda foi a apresentação de uma pequena peça em jeito de tragédia grega. E foi assim:

Interior. Lusco-fusco. Homens com longas barbas brancas e vestes solenes e largas. Alguém bate à porta.

Fulanón (levantando-se e dirigindo-se à porta) - Quem vem lá?
Voz do exterior - Abri, que está frio. Sou o vosso compadre, Beltranis.
Fulanón - É como dizeis, está um frio de rachar aí fora. Não abro esta porta por dá cá aquela palha. Provai-me que sois Beltranis e não um mero impostor e abri-la-ei, deixando-vos entrar e o calor sair.
Voz do exterior - Emparvoasteis? Sabeis porventura quantos graus negativos estão aqui? Conheceis mais alguém maluco o suficiente para vir enregelar as barbas só para vos vir aturar?
Fulanón - Assim vos trairdes, ignóbil impostor! Pois que quem essa porta atravesse para este aconchego procurará essencialmente atacar as pipas de belo tinto e os presuntos já defumados...
Voz do exterior - Esta peripécia já vai longa! Abri imediatamente esta porta ou serei forçado a denunciar os escravos que não declarardes às finanças!
Fulanón (abrindo apressadamente a porta) - Entrai sem mais delongas, Beltranis, sentai-vos e bebei uma taça de tinto, para aquecer...
Beltranis (bebendo) - Bom! Dizei-me: Sicranedes já chegou?

Silêncio. Tensão. Olhares entrecruzam-se. Fulanón tosse.

Beltranis - Acaso não me terei feito ouvir? Perguntei se Sicranedes já chegou. Temos assuntos importantes a tratar.
Fulanón - Sim, estou a par. Ides abrir uma cadeia de restaurantes especializados em Arroz de Pathos... (emborca a sua taça de tinto e serve-a de novo)
Beltranis (com ar ausente) - Seremos ainda mais ricos; poderemos ter ainda mais escravos, e, dessa forma, mais tempo livre para nos dedicarmos à nobre ciência da Filosofia. Alimentar a alma e carregar o fígado.
Fulanón - Sim, é excitante! Sempre optasteis por pôr só eunucos a servir à mesa?
Beltranis (levantando-se e abrindo uma garrafa de vinho do bom) - Certamente! São mais estúpidos e falam pouco, o que é o ideal para a clientela. Onde se terá metido Sicranedes?

Abrem-se garrafas de Chateau Lafitte com várias décadas. Sicranedes demora.

Fulanón - (hic) Barece-me que baderam à borda, ó... ó... Beltranis (desata a rir)
Beltranis - Será aquele malandro? Finalmente?
Fulanón (gritando) - Sois vós, ó Sicranedes? (hic)
Voz do exterior - Abri em nome de Dionísio, ó alarves. Trago notícias graves!
Fulanón - Ides lá, combadre Beltranis? (hic)
Beltranis - Estais malugo? (hic) Eu nem c'uma grua me lefanto dagui...
Fulanón - Voltai amanhã, Sicranedes, nunca antes (hic) das quatro da darde...
Voz do exterior - E o Arroz de Pathos?
Fulanón e Beltranis - Deixai izo junto à borta. Amanhã marcha.

Cai o pano

plantado por Badalo @ 16:34 |

   
     fevereiro 10, 2005

Provérbios Bucólicos 

 

«A teia trama tanto quanto a tríplice totalidade»

Tanha Daranha

plantado por Badalo @ 20:29 |

   
     fevereiro 09, 2005

A Inveja é Uma Coisa Muito Feia 

 

Foi publicado um estudo estatístico que demonstra que os dinamarqueses, não obstante terem optado por ficar fora do Euro-moeda, são detentores de uma das mais sólidas e estáveis economias do mundo; são também os dinamarqueses o povo mais feliz desta Terra e ainda - sem se estabelecer directamente um nexo de causalidade - os que têm mais sexo. Ora tudo bem. Parabéns aos dinamarqueses. Ah! Então e as dinamarquesas? Não, não era isto que queria dizer. Cá para mim, são mas é os mais mentirosos...

plantado por Badalo @ 08:52 |

   
     fevereiro 07, 2005

Dolce Fare Niente... 

 

Ahhhh, as pontes, as pontes...



plantado por Badalo @ 13:07 |

   
     fevereiro 05, 2005

Compromissos 

 

I. Enquadramento Prévio
Senti vontade de responder ao desafio deste post em detectar a incongruência. Comecei a escrever um comentário mas desde logo percebi que os mil caracteres permitidos pelo haloscan seriam curtos e decidi-me a fazê-lo por aqui. Espero que as Autoras mo perdoem. Desta forma, antes de se prosseguir com a leitura do que infra vem vertido, roga-se a leitura do desafio.
A incongruência é (pelo menos aparentemente, e já me explico) o apelo ao respeito pela diferença depois de excluir algo que é... diferente. Até aí chega-se bem. Mas não é simples. E não o é explicá-lo aqui em meia dúzia de linhas.


II. O Problema
Parece que há quem se sinta aviltado com a mera ideia de casais gay (expressão que, por ser curta e popular será aqui usada como referência aos casais do mesmo género ou sexo) celebrarem matrimónio. Por outro lado há aqueles que - suponho, os próprios interessados - se sentem aviltados por serem discriminados, prejudicados até, nesta impossibilidade legal de adquirirem o estado de casados. A questão tem ganho novo fôlego no âmbito da pré-campanha eleitoral que antecede a ida às urnas de dia 20 deste mês.
Antes de mais, e para que não haja confusão, devo dizer que se a Assembleia da República legislar no sentido de abrir a figura do casamento aos casais gay não irei sentir qualquer tipo de entusiasmo. Por outro lado, também não sentirei qualquer tipo de calafrio. No entanto, e enquanto nada disto se define - estou convicto que nem sempre tudo será como é nesta matéria - limito-me a achar curioso observar as angústias de quem quer alterar a vigência actual. Li um artigo do Doutor Bidé, que, apesar de conter a jocosidade que é própria do Autor, acaba por revelar uma perspectiva de alguma forma semelhante à minha (arranjar lenha para se queimar).


III. O Cerne da Questão
Há que ter em conta que o casamento é uma instituição, civil e religiosa, criada dentro de uma lógica heterossexual. Ou seja: de heterossexuais para heterossexuais. Se me perdoarem a comparação, parece-me um pouco como os budistas de repente quererem reivindicar o seu direito a baptizar-se. E eu perguntaria: para quê? Imagine-se um(a) heterossexual a quem é barrado o acesso a uma parada gay. Far-lhe-á mossa? Apenas em casos paralelos ou muito rebuscados.
É claro que poder-se-á argumentar: ora, o casamento, enquanto figura do direito civil, com o seu conjunto de efeitos nas esferas jurídicas dos cônjuges, abre portas que estão vedadas de outra forma, e manter essas portas fechadas aos indivíduos sexualmente orientados para o seu próprio género é apenas ostracismo e pura e simplesmente injusto (porque injustificado). Mas falamos de quê, exactamente, quando referimos essas portas fechadas? Do direito de adoptar (estabelecimento do vínculo jurídico da filiação fora dos laços sanguíneos)? Então reivindique-se o direito à adopção e não se confunda com o casamento. Dos benefícios que resultam das declarações de rendimentos para efeitos tributários (maxime IRS)? Já lá vai o tempo em que o Estado protegia a família, pois hoje em dia há mais vantagens em apresentar duas declarações de rendimentos individuais do que uma conjunta (o que, relembra-se, não é permitido aos cônjuges não separados). Da aceitação social? Não estaremos por aí a pôr o carro à frente dos bois? Será que tais casamentos não encontrarão a sua forma natural (no sentido jurídico) a partir do momento em que a ideia que lhe subjaz esteja socialmente integrada? Não será irracional forçar as mentalidades através do jurídico? Não se percebe facilmente que o fenómeno terá de ser o inverso (fazer a juridicidade acompanhar cabalmente as mentalidades)? Ou tudo isto não excede uma questão de preguiça por se perceber que abrindo as portas ao casamento de casais gay se resolveriam, em bloco, estas questões?

IV. Conclusão
Se é certo que não me incomoda minimamente a ideia de se alterar o disposto no art.º 1577.º do nosso Código Civil, com as implicações que daí decorrerão, também é verdade que me parece que isso não faz muito sentido, a não ser dentro da tal lógica de preguiça atrás referida. Naturalmente que não posso defender que pessoas que vivam uma situação de facto coberta por determinada protecção jurídica dela não possam beneficiar, sobretudo por lhe estar vedada tal formalização jurídica, pois que de justiça material se trata. Mas o que digo é que faria mais sentido pugnar por uma equiparação ponto por ponto sem se correr o risco de desvirtuar (aqui não no sentido de tirar a virtude mas a essência) uma instituição secular criada dentro da sua própria lógica. Há, até, já quem trate da cerimónia.

plantado por Badalo @ 15:06 |

   
     fevereiro 03, 2005

As Eleições 

 

Quem acompanha as nossas crónicas sabe que a quinta é um local democrático e, como tal, aqui há eleições para apuramento das diversas comissões.
Este ano calha eleger os órgãos da Comissão Organizacional de Cuidados Olvidados (C.O.C.O.).
O procedimento de candidatura é simples: todos os interessados devem apresentar as respectivas listas à Presidente da quinta (eu) e ao P.M. da quinta (o Badalo), listas onde devem constar o nome de cada um e a que cargo se candidata, bem como as razões porque se candidatam e que qualidades têm para o exercício do respectivo cargo.
Ontem, último dia para a entrega das listas, chegou-nos às mãos uma única lista, qual passo a expor aqui:

Candidatura de “A” Lista

Caríssima Vaca Louca e Digníssimo Badalo,

Eu, Galo Jericó, como porta-voz desta lista e candidato a presidente da C.O.C.O., apresento a minha lista com a certeza que a Exm.ª Vaca e o Amabilíssimo Badalo perceberam, pois sois ambos muito inteligentes, que nós seremos a força motora que impulsionará a nossa quinta para o século XXII, para o progresso (VIVA O PROGRESSO).

Sem mais delongas e desejando-vos uma feliz análise, passo a descrever os órgãos sociais:
Presidente: Galo Jericó, conhecido pelas suas belas penas, eloquente orador e cobiçado por toda a capoeira (principalmente a ala feminina).
Devido ao seu enorme poder de persuasão, será elemento vital para as negociações com os ratos que atacam o trigo, os porcos que sujam o alpendre e outros animais menores.
Agora tenho aqui de interromper a lista para explicar que a não percebi esta descrição, visto que o Jericó, em cada frase que diz, saem, pelo menos, três palavrões, dos cabeludos, mas deve ser esse o seu poder argumentativo, não sei… além de que deve ser aparentado do Hitler, pois de democrático não tem nada, só as suas ideias contam e são maravilhosas e, normalmente, não dão em nada (felizmente).
Vice-Presidente: Burro Anacleto, pois como os digníssimos sabem, é dos melhores gestores que a quinta tem, além de ser de uma honestidade sem mácula. Como Vice-Presidente trará para a quinta uma responsável gestão de rações, fazendo com que os cofres se mantenham sempre cheios.
Pronto, tenho de interromper outra vez: o Anacleto é conhecido por aqui como o Sovina-Mor, ora se ocupasse este cargo o que aconteceria era que iríamos todos passar fominha. Além disso, honesto é coisa que ele não é, pois nunca se chega à frente tomando responsabilidades dos seus actos, que normalmente são do piorio. Ainda por cima, usa uma pulseirinha de ouro na pata, o que faz com que pareça um Coroné.
Tesoureiro: Porco Tobias, que além de coordenar como ninguém a pocilga, é divertido e sabe assinar cheques. Pensamos que reúne todas as qualidades necessárias para a execução deste cargo.
Pois claro, então não? O que precisamos mesmo é de quem saiba assinar cheques! Este aparece aqui na lista porque tem um gosto especial pela cusquice e gosta de pertencer às Comissões, sejam elas quais forem.
Estes tipos todos os dois anos tentam chegar ao poder!!
Resumindo, parece que vamos ter de nomear a C.O.C.O., que com esta lista não vamos lá. Ai, ai.

plantado por Vaca Louca @ 21:26 |

   
     fevereiro 01, 2005

Sem Comentários 

 


plantado por Badalo @ 18:38 |

   
     


 

O Parzito
Ó Pra Nós

Tractor de Busca

A Parada

- Census -
Vou Assinalar Abaixo a Minha Idade:
De 4 a 6 anos.
De 7 a 10 anos.
De 11 a 15 anos.
Mais de 15 anos.

Sótão

  • Janeiro 2004
  • Fevereiro 2004
  • Março 2004
  • Abril 2004
  • Maio 2004
  • Junho 2004
  • Julho 2004
  • Agosto 2004
  • Setembro 2004
  • Outubro 2004
  • Novembro 2004
  • Dezembro 2004
  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Agosto 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Outubro 2006
  • Na Pocilga
    Diário da República I, II, e III séries

    No Celeiro
    Nove Amanhãs
    Isaac Asimov


    Weirdos From Another Planet
    Bill Waterson


    Sonetos
    Florbela Espanca

    Especialidades da Casa
    · bAtAtAs FrItAs
    · Fata Morgana
    · Luz & Sombra
    · Novos Vôos
    · Os Dias da Música
    · Robina

    Poços de Cultura
    · A Causa foi Modificada
    · A Origem do Amor
    · Aviz
    · Barnabé
    · Blog de Esquerda II
    · Contra a Corrente
    · Ene Coisas
    · Exacto

    Fontes de Lazer
    · A Funda São
    · Abstracto Concreto
    · Blogue dos Marretas
    · Carapau de Corrida
    · Catwalk
    · Cruxices
    · Espuma dos Dias
    · Farinha Amparo
    · Gato Fedorento
    · Gotinha
    · Há VidemMarkl
    · Just a Kiss?
    · Miss Vitriolica
    · Mas Isto...?
    · His Guide To Our Galaxy
    · Núcleo Duro
    · Psicotapa
    · Quinta dos Animais
    · Sem Pénis, Nem Inveja
    · The English Manager
    · The Old Man
    · Triciclo Feliz
    · Webcedário

    Pastagens Frescas
    · 100 Tretas
    · 3Tesas Não Pagam Dívidas
    · Baby lónia
    · Blimunda
    · Blogopédia
    · Diário de Um Pêlo Púbico
    · Dúvidas Dúbias
    · O Blog do Bidé
    · O Diário de Conchita
    · O Meu País Azul
    · O Vizinho
    · Pé de Meia
    · Porca de Vida
    · R por Minuto
    · Too Much
    · Yulunga
    · You’ve Got Mail

    Planícies de Aluvião
    · Bimba Ininteligível
    · Fachadas Perversas
    · Guerra dos Sexos
    · Horizonte Quase Perdido
    · Pobre Menina Rica
    · Porquinho da Índia

    Caixa de Areia
    · Construir
    · Ginástica Digital
    · Imberbe
    · Mystery of Time&Space
    · Mixturar
    · Pérolas a Porcos

    Baú
    · 10.ª Arte
    · Arte?
    · Crítica
    · Emily
    · Inépcia
    · Leituras
    · Hi Tech
    · La Fura
    · O Culpado
    · Subterrâneo

    Alfaias
    · Animados
    · Cinemas
    · Cores
    · Dicionário
    · Dictionary
    · Escola
    · Estáticos
    · Estáticos II
    · Farmácias
    · Index

    Escreva-nos

    Site Meter

    Design by
    ButchyWaffers.com

    Powered by
    Blogger

    Powered by Blogger

    Weblog Commenting by HaloScan.com


    Free polls from Pollhost.com
       


     

    ______________


    ______________


       

    ______________


       

    ______________


       

    ______________


       

    ______________


       

    ______________